A SEXUALIZAÇÃO (EXAGERADA) DE PERSONAGENS FEMININAS

06/02/2018

Olá manos e minas, beleza?

Sexualizar é o ato ou efeito de dar ou de ganhar caráter sexual. Aqui vou escrever especificamente sobre quando as personagens femininas estão seminuas ou vestidas com roupas provocantes. Não é minha intenção escrever um texto puritano ou moralista, apenas quero expor o que eu andei pensando atualmente diante de algumas coisas que considero exageradas.

“Mas mano, isso é só entretenimento e você não precisa ficar problematizando o bagulho” vai dizer algum marmanjo que adora ver personagens femininas quase peladas. Concordo que os artistas precisam ter liberdades artísticas na hora de desenhar essas personagens. O que me incomoda é quando elas estão usando uma roupa que nem ao menos faz sentido com o próprio conceito da personagem, como no caso de uma lutadora que precisa lutar e pular, o que pode ser difícil quando ela está usando uma saia curta apertada e salto alto.

Quando era moleque eu gostava de ver a calcinha da Chun-li. Agora que sou pai de uma menina, passei a ver as coisas por outro ângulo. Não quero julgar quem se diverte com a sexualização exagerada de personagens femininas no mundo do entretenimento, só quero expor aqui os motivos pelos quais EU costumo me incomodar com isso. Penso que a coisa toda passa pela coerência e pode ir parar na falta de bom senso, e usarei três personagens para exemplificar isso.

Primeiro falarei sobre a Niele do mangá Holy Avenger para dar um exemplo de coerência. Ela é uma elfa deslumbrante que usa apenas tirinhas de couro para cobrir sua nudez. A Niele é uma personagem que eu aceito tranquilamente, porque a falta de pudores (ela chega a perseguir um ladrão pela cidade completamente nua) é algo que faz parte da personalidade dela. Neste caso a sexualização da personagem tem um contexto que justifica o modo como ela se veste.

Agora chegou o momento de dizer o que me incomoda, e o melhor exemplo para isso é a Chun-li de Street Fighter 5. Conheço essa personagem desde moleque como uma mulher de personalidade forte, sempre demonstrando uma grande seriedade e disciplina. Então de repente eu vejo ela lutando de biquíni…  É verdade que a sensualidade da Chun-li sempre foi explorada, mas antes não era algo tão forçado. Ver ela lutando de biquíni me incomoda porque desconstrói a imagem que sempre tive da personagem, além de estar incoerente com o conceito dela. Apesar disso, se fizer um esforço eu consigo relevar casos como este.

E para finalizar, vou falar da Sarada do mangá Boruto para dar um exemplo de falta de bom senso. O mangá deveria seguir os passos do anime, mas com o tempo o desenhista passou a sexualizar esta personagem, uma kunoichi (ninja feminino) que ganhou poses sensuais e uma roupa que deixa suas pernas de fora. Até aqui parece ser um caso como o da Chun-li, mas tem um agravante: Sarada tem apenas DOZE ANOS DE IDADE!

Quando comparamos a caso da Niele com o da Sarada fica evidente os níveis de exageros que a sexualização das personagens femininas pode alcançar. Já casos como os da Chun-li eu considero um meio termo. Tenho certeza que essas personagens são usadas para atrair o público masculino, mas, pelo menos comigo, se não tiver coerência a tendência é me afastar delas.

Este texto foi baseado no post “Problematizando a sexualização da Sarada no mangá de Boruto”, do site Mais de Oito Mil. Esse site fala sobre animes, mangás e bizarrices japonesas. Eu acompanho o Mais de Oito Mil há anos e ele é uma grande referência para mim na hora de escrever meus posts.

 

Gostou deste texto opinativo? Já leu nosso post sobre o habito de ler quadrinhos hoje em dia? Leia Já:

QUEM (AINDA) LÊ QUADRINHOS?

Versus Podcast © 2017