HERE COMES A NEW CHALLENGER

 

Sapo Xulé vs Os Invasores do Brejo é um jogo de plataforma produzido pela TecToy para Master System lançado em 1995. Este jogo é uma reprogramação (romhack) de um título já lançado pela Sega em 1989 chamado Psycho Fox, que chegou ao Brasil pela TecToy em 1994. Continue reading

 

Silent Hill: Play Novel foi lançado para Game Boy Advance em 2001 (somente no Japão). É uma versão radicalmente diferente do Silent Hill do Playstation, com um estilo próprio de gameplay. Ocasionalmente, o jogador fica envolvido em questões típicas da série, como resolver quebra-cabeças ou fazer escolhas que mudam os finais do game. A recepção do jogo foi, em grande parte, negativa, criticada principalmente pela trilha sonora, por não expressar tão bem a atmosfera de terror da obra. Continue reading

 

Nintendo Entertainment System, ou simplesmente NES (no Brasil apelidado como Nintendinho), é um console lançado pela Nintendo na América do Norte, Europa, Ásia, Austrália e Brasil.

Originalmente lançado no Japão em 1983 com o nome de Nintendo Family Computer, ou apenas Famicom, o sistema foi redesenhado e recebeu o novo nome para ser lançado no mercado americano em 1985.

O NES/Famicom foi o videogame de maior sucesso comercial na sua época. Ele ajudou a indústria de videogames a se recuperar da crise de 1983 (Crash de 83) e estabeleceu novos padrões que seriam seguidos pela indústria. Continue reading

 

Tomb Raider: Anniversary é o oitavo jogo de computador e videogames da série Tomb Raider. Lançado em 2007, é um remake do jogo original de 1996. O game foi desenvolvido pela Crystal Dynamics, Eidos Interactive e Buzz Monkey Software. Saiu para os consoles PlayStation 2, Nintendo Wii, Xbox 360, PSP e PC. Uma versão para o PlayStation 3 está incluído na coleção de Tomb Raider Trilogy, lançado em março de 2011, e foi remasterizado em HD.

HISTÓRIA

Lara Croft é uma arqueóloga aventureira que procura tumbas e relíquias, movida pela paixão de desvendar segredos das grandes civilizações antigas.

Em Tomb Raider Anniversary, Lara é contratada por uma poderosa empresária chamada Jacqueline Natla. Natla é simplesmente a dona de uma das maiores empresas de eletrônicos do mundo: a Natla Technologies. A empresária diz que encontrou a localização de um artefato antigo muito raro, chamado Scion. Ele estaria escondido nas tumbas fictícias de Qualopec, nas montanhas do Peru. Natla está disposta a pagar uma fortuna pelo artefato místico. Lara aceita ir, mas não pelo dinheiro, e sim pela aventura.

Antigamente, Lara e seu falecido pai passaram boa parte de suas vidas procurando evidências dos artefatos Scion, mas nunca os encontraram. Por isso, ela decide que não pode perder essa chance única. Lara embarca numa épica jornada pelo mundo em locais inexplorados que se mantiveram escondidos por séculos. Enquanto desenterra tumbas há muito tempo escondidas, ela descobre que não é a única que busca o Scion: há outras pessoas desesperadas para colocar as mãos nos misteriosos artefatos. É aí que a aventura começa…

GAMEPLAY

Tomb Raider: Anniversary é um jogo de ação e aventura para um único jogador onde ele controla a protagonista, Lara Croft, de uma perspectiva em terceira pessoa. Como Lara, o jogador pode pular, escalar e deslizar ao longo de bordas e postes verticais ou escadas, também pode rastejar por pequenos espaços, balançar em cordas e postes horizontais, interagir com objetos e computadores, usar um gancho para balançar e alcançar outros lugares no ambiente, ou nadar e mergulhar debaixo d’água por um tempo limitado.

O jogo é essencialmente composto por uma série de quebra-cabeças únicos e gigantescos. Lara os resolve ativando interruptores ou encontrando e usando chaves escondidas dentro da área. Os ambientes são seus maiores adversários na maior parte do tempo. Os adversários de Lara se resumem a animais selvagens como lobos, ursos, jacarés, tigres, gorilas, aves de rapina, gárgulas (ocasionalmente) e até um tiranossauro rex. Enquanto explora, Lara pode encontrar kits médicos grandes e pequenos, que podem curar os danos sofridos durante o jogo, além de artefatos e relíquias.

Como esse é um jogo comemorativo de aniversário, ele veio repleto de extras, contendo imagens oficiais, concept arts, mensagens dos desenvolvedores, fases que foram pensadas e não foram colocadas no jogo, músicas, cenas especiais, roupas secretas, comparações do atual com o original, cheats e muito mais. São muitos e muitos extras desbloqueáveis, apenas para os mais sedentos por aventura.

Durante o combate, Lara mira automaticamente nos inimigos e atira com sua arma equipada. Porém, o jogador é capaz de mudar para outro alvo dentro do alcance e se mover livremente para evitar ataques inimigos.

Pode vir, bichão. Tenho dois presentes cheios de balas te esperando…

Um extra que o jogador poderá curtir também são os “Time Trials”. Ao se completar uma fase normal, você terá a oportunidade de jogá-la novamente quando bem quiser. Durante os Time Trials, Lara possui um tempo cronometrado para chegar até o final da fase. Não pense que será fácil: o tempo é curto e não para nunca! Lara tem de percorrer a fase derrotando os oponentes e passando pelos puzzles antes do tempo acabar. Completando os Times Trials, o jogo irá revelar mais extras secretos e alguns cheats. Estes cheats podem ser usados para se jogar o game com fôlego infinito, armas douradas, munição infinita, entre outras facilidades.

Outra inovação que não deixa de ser interessante foi a do “adrenaline dodge”. É um movimento novo de Lara que pode ser feito quando um inimigo entra em estado de fúria (isso ocorre logo após ele receber uma certa quantidade de danos em um curto período de tempo). Um inimigo em fúria avançará rapidamente em sua direção e, quando estiver bem próximo, o jogo entrará em câmera lenta e aparecerá setas nas quatro direções básicas. Quando isso acontecer, pare de atirar e role em uma dessas direções. Logo em seguida, você poderá executar um tiro certeiro na cabeça do inimigo. Basta esperar um círculo vermelho aparecer e atirar no momento exato. Isso matará instantaneamente qualquer inimigo, exceto os chefes.

Lara tem acesso a quatro armas diferentes em combate: suas pistolas padrão com munição infinita, uma espingarda, duas pistolas calibre .50 e uma sub metralhadora.

Se Lara morrer durante o jogo, ela reinicia a partir do checkpoint anterior.

FASES

1. PERU: MONTAIN CAVES / CITY OF VILCABAMBA / THE LOST VALLEY / TOMB OF QUALOPEC – Por trás de portas de gigantes de pedra, fica a antiga Cidade de Vilcabamba. Antes, o lugar servia de esconderijo para os incas; agora, em ruínas, passou a ser o lar de lobos e ursos selvagens. Encontre o seu caminho além do seu túnel, caminhos para descobrir o Vale Perdido,
um barranco exuberante onde os dinossauros ainda vagueiam.
2. GRÉCIA: ST. FRANCIS FOLLY / THE COLISEUM / MIDAS PALACE /TOMB OF TIHOCAN – Um traiçoeiro e vertiginoso túnel subterrâneo está no centro destas ruínas gregas onde há catacumbas com lugares para hospedagem, baseados em desafios diabólicos dos deuses gregos Atlas, Haephestos, Dâmocles e Poseidon. Mas isso é apenas o começo, as ruínas, o coliseu e as antigas cisternas escondem perigos maiores.
3. EGITO: TEMPLE OF KHAMOON / OBELISK OF KHAMOON / SANCTUARY OF THE SCION – Enterrado bem fundo nessas paredes do templo egípcio, existem câmaras secretas protegidas por animais selvagens e terríveis mortos-vivos.  Se você sobreviver a elas e as armadilhas mortais, prepare-se para descobrir uma enorme Esfinge e a dimensão das estátuas colossais dos deuses Anúbis e Hórus.
4. ATLÂNTIDA, A ILHA PERDIDA: NATLA’S MINES / THE GREAT PYRAMID /| FINAL CONFLICT – Uma civilização escondida com um exército secreto.
5. MANSÃO CROFT: a mansão está como se fosse uma fase mesmo, vasta, com cenários variados e com puzzles para resolver. Tem até artefatos escondidos!

 

Nota-se uma “pequena diferença” quando comparamos a Lara do remake com a Lara original.

GRÁFICOS E SONS

Os gráficos são a mudança mais óbvia entre Anniversary e o Tomb Raider original. Os cenários são imensos belos e muito detalhados… Cada detalhe é possível de se ver ao longe, como as folhas das árvores, as rochas, construções antigas…

As animações dos personagens também estão bem feitas. Além disso, agora temos uma Lara Croft menos quadrada e que muda as expressões faciais quando anda agachada, quando é ferida, quando nada ou quando está pendurada em beiradas… E quando você sai da água, a roupa e os cabelos dela estão molhados.

A música que acompanha o jogo cumpre perfeitamente o papel, provocando situações de tensão e perigo o tempo todo. Os efeitos sonoros do ambiente estão o mais natural possível, como o som das armas por exemplo, estão bem feitos.

Até para pular a senhorita Croft tem estilo.

A emblemática mansão Croft está presente como uma fase bônus, cheia de coletáveis.

CONCLUSÃO

Tomb Raider: Anniversary, como o próprio nome já diz, é uma homenagem feita pela Eidos Interactive em comemoração aos 10 anos da série. Eles tiveram o cuidado de manter tudo aquilo que tornou o jogo original um clássico memorável intacto. É a mesma história, porém com cenários repaginados, nova jogabilidade, novo sistema de combate, novos puzzles e itens, além de trazer muita inovação. Trata-se de um remake bem feito! A sensação de nostalgia do jogo é contagiante, principalmente se você teve o privilégio de ter jogado o game original. Tomb Raider: Aniversary é o game clássico dos clássicos!!!

 

Por falar em Lara Croft, já leu nosso post sobre Tomb Raider: Legend? Leia Já:

A LENDA FEMININA DOS GAMES ESTÁ DE VOLTA! LARA CROFT TOMB RAIDER – LEGEND

 

Quem quiser pode curtir e seguir o Versus podcast nas redes sociais:
Facebook: https://www.facebook.com/vspodcastbr/
Twitter: https://twitter.com/vspodcastbr
Instagram: https://www.instagram.com/vspodcastbr/

 

Advance Wars é um jogo de estratégia militar por turnos, desenvolvido para o Game Boy Advance pela Intelligent Systems e publicado pela Nintendo em 2001. Advance Wars foi o primeiro título da série “Nintendo Wars” a ser lançado fora do Japão. Consequentemente, foi o responsável pela popularização da franquia no Ocidente, além de ser um dos primeiros títulos do gênero a surgir em um portátil. Continue reading

 

The Evil Within 2 é um jogo de survival horror em terceira pessoa desenvolvido pela Tango Gameworks e publicado pela Bethesda Softworks. A produção do jogo foi feita por Shinji Mikami, um dos diretores do Resident Evil original. O game foi lançado para Microsoft Windows, PlayStation 4 e Xbox One em 2017. The Evil Within 2 marca o retorno de uma das sagas de terror que mais recebeu elogios na geração passada e atual.

HISTÓRIA

The Evil Within 2 começa três anos após os eventos do primeiro jogo. Neste cenário temos Sebastian Castellanos, o sobrevivente da aventura original. Sebastian deixou o departamento de polícia da cidade de Krimson, assombrado por suas experiências aterrorizantes no Hospital Mental Beacon. Há muito tempo, graças a um terrível incêndio em sua casa, Sebastian supostamente perde sua única filha, Lilly, e sua esposa, Myra. Ela não consegue suportar a tragédia para seguir em frente e acaba se separando dele. Como resultado, Sebastian acaba descendo para o alcoolismo.

Certo dia, Sebastian estava afogando suas mágoas em um bar. Ele é abordado pela ex-parceira e agente da Morbius, Juli Kidman. Ela revela que a filha dele ainda está viva e que é mantida prisioneira pela agência misteriosa da Morbius. Lilly, por ter uma mente infantil e pura capaz de manter o experimento funcionando bem, é a principal hospedeira do mundo gerado pelo Stem: Union. Sebastian então é levado para a instalação secreta da Morbius. Lá, ele é convencido a entrar de novo no Stem e reviver todo o pesadelo para poder salvar sua filha e também resgatar agentes perdidos da Morbius.

GAMEPLAY

The Evil Within 2 é um jogo de survival horror em um mundo semiaberto jogado por uma perspectiva em terceira pessoa. É muito focado na exploração, pois temos vários locais dentro do mapa para explorar. Sebastian pode entrar em diversas lugares como casas, fábricas, armazéns abandonados… Os mapas são enormes e existem várias maneiras dos jogadores avançarem no game.

Quanto aos inimigos temos os humanos “normais”, que tiveram algum problema com suas mentes, ficando parecidos com zumbis. Porém, são mais rápidos e até espertos em certos pontos. Atirar na cabeça é sempre uma boa ideia, mas, de vez em quando, eles a mexem, fazendo o jogador errar o tiro e gastar munição à toa. O jeito (se possível) é sair do “campo de visão” do inimigo, se abrigar e escolher um novo momento para atacar sorrateiramente. Porém, mesmo atacando na surdina, você encontrará outros zumbis que são capazes de resistir e vir pra cima com tudo, criando a necessidade do combate.

O jogador pode se envolver em confrontos diretos com os inimigos usando armas como facas, pistolas semiautomáticas, machados de mão, bestas, rifles de precisão, armas com visão a laser, espingardas de cano longo, Socos ingleses, armas com silenciador, revólveres, lança chamas, espingardas cortadas, Magnum, fuzis de assalto e espingardas de dois canos. Você também pode usar a furtividade para evitar ser notado ou se esgueirar atrás dos inimigos para matá-los silenciosamente. As armas podem ser personalizadas usando as peças de armas que o jogador coletou através da exploração da Union. O fator exploração e estratégia neste game é levado a sério.

Alguém aí lembrou de Silent Hill do PlayStation One?

O jogador também recebe um item conhecido como “O Rádio Comunicador”, que ajuda a destacar os objetivos, recursos e inimigos apresentados no mundo do jogo. Ele também revela pontos de ressonância, que fornece dicas sobre o que havia acontecido no mundo de Union.

Os jogadores podem explorar livremente a área do mapa para completar os objetivos opcionais e procurar recursos, que são escassos.

Existem três modos de dificuldade: Casual, Survival e Nightmare.

O jogo também apresenta um sistema de criação no qual os jogadores podem reunir recursos para criar novos itens, como munição. É possível criar itens a qualquer momento, mas fazê-lo em uma bancada exige menos matéria prima, o que eu recomendo.

Um sistema de personalização também está presente. O gel verde ou vermelho, introduzido no primeiro jogo, pode ser usado para personalizar as habilidades de Sebastian, que são divididas em cinco árvores diferentes: saúde, furtividade, combate, recuperação e capacidade atlética.

Os puzzles também estão presentes, porém desta vez estão mais simples. Não chegam a exigir que o jogador utilize o raciocínio lógico com tanta profundidade. Existem dois tipos de puzzle: estabilizar duas linhas de frequência de portas trancadas eletronicamente e acionar botões na ordem correta para obter acesso a determinados locais.

Há uma novidade, que foge um pouco da atmosfera sombria, mas é bacana. Existem mini games em que podemos conseguir munição e gel. Um se parece com um tiro ao alvo e outro com uma espécie de Tetris, onde precisamos atirar nas cores que estão próximas umas das outras para explodirem. Só podemos acessar estes mini games através do espelho.

Dá até vontade de vomitar de tão nojentos que os inimigos estão. Maravilhoso!

GRÁFICOS E SONS

Graficamente o game evoluiu muito em relação ao seu antecessor. Os cenários são incrivelmente detalhados e o clima sombrio está bem destacado. Há alguns detalhes que impressionam e até causam medo: o protagonista carrega uma lanterna amarrada em sua cintura e, conforme vai se movendo na escuridão, as sombras criadas vão se distorcendo ao redor do ambiente, deixando uma clara impressão de algo maligno perto da gente. Fora isso, a ambientação e os inimigos estão lindos demais (no sentido de feios para burro).

A trilha sonora é utilizada apenas em alguns momentos específicos. Além de ser muito bonita e tranquila em certos pontos, o que mais me surpreendeu foi a música tema do final: a épica “The Ordinary World”, do Duran Duram. A letra combinou demais com o jogo!!!

Os efeitos sonoros ajudam a criar uma atmosfera aterrorizante. Em várias ocasiões é possível ouvir criaturas gemendo, passos de inimigos, sons de cadáveres sendo devorados e também o barulho do rádio de Sebastian, quando encontra alguns pontos de ressonância, para o jogador cumprir alguma missão.

O Game é todo localizado em Português do Brasil, o que é ótimo! A dublagem brasileira está excepcional e ajuda a desenvolver ainda mais os personagens.

DICAS

Dificuldade Clássica: termine o jogo na dificuldade Nightmare (Pesadelo) para destravar a dificuldade Clássica, que é a mais difícil do jogo: não possui autosaves, permite gravar o progresso apenas sete vezes e não oferece atualização de armas e habilidades.

Munição infinita: termine o jogo na dificuldade Clássico para ter munição infinita.

Novas armas: termine o jogo na dificuldade Nightmare (Pesadelo) ou maior para destravar o soco inglês e a Magnum.

Novas roupas: termine o jogo em qualquer dificuldade para destravar as roupas Professional, Classic e Drifter.

CONCLUSÃO

The Evil Within 2 é um verdadeiro representante do gênero survival horror, onde temos Resident Evil, Silent Hill e Alone in the Dark. O jogo resgata elementos clássicos dos games de terror e os aplica em um mundo semiaberto repleto de ameaças horripilantes, com uma ótima ambientação e efeitos sonoros macabros.

O primeiro game da série é mais claustrofóbico enquanto este é focado na exploração. A inteligência artificial também está melhorada. Pra quem não tem medo de se aventurar neste segundo jogo, aqui vai três conselhos básicos: improvise, adapte-se e sobreviva!

 

Por falar em The Evil Within 2, já leu nosso post sobre o primeiro jogo? Leia Já:

UMA HORRIPILANTE MISTURA DE RESIDENT EVIL COM SILENT HILL | THE EVIL WITHIN (PS4)

 

Quem quiser pode curtir e seguir o Versus podcast nas redes sociais:
Facebook : https://www.facebook.com/vspodcastbr/
Twitter : https://twitter.com/vspodcastbr
Instagram : https://www.instagram.com/vspodcastbr/

Certo dia lembrei da época em que eu tinha 15 anos e conheci Dragon Ball Z. Foi quando fui conquistado pelo anime e fiquei alucinado com as aventuras de Goku, Vegeta, Piccolo e muitos outros. Uns dois anos depois surgiu o mangá na banca. Finalmente pude conhecer a obra original na íntegra e me apaixonei de vez. Então, recentemente, comecei a pensar: será que Dragon Ball é bom mesmo? Ou será que foi só uma obra que teve sua época? Será que agora, com mais de 30 anos, eu ainda iria gostar de ler este mangá? Pesando nisso, resolvi lê-lo novamente. Continue reading