DEMOLIDOR DE FRANK MILLER & KLAUS JANSON

17/01/2018

E aí manos e minas, beleza?

 

Desta vez estou escrevendo sobre meu quadrinho favorito: Demolidor, de Frank Miller. Apesar do herói ter varias obras feitas por este artista, vou abordar especificamente um arco de histórias da revista Deredevil (titulo original nos EUA), que teve início na edição 168 e foi finalizada na 191.

Tudo começou quando Miller, que já desenhava a revista em parceria com o arte-finalista Klaus Janson, assumiu o roteiro. Nessa ocasião Miller introduziu Elektra, uma personagem criada por ele. Em seguida ele acrescentou os vilões Mercenário e Rei do Crime. Junto com Demolidor, estes três personagens formam o pilar destas histórias, focadas em um ambiente urbano e sujo. Em 2016 esse material foi publicado pela Panini Comics em 3 volumes com o titulo de Demolidor por Frank Miller e Klaus Janson.

 

 

Meu primeiro contato com estas histórias foi em 2004. Nessa época meu irmão comprou os volumes que reuniam todas as edições deste arco no evento Fext Comix, em São Paulo. Eu dei uma folheada só por curiosidade e logo a narrativa das páginas me impressionou. O modo como Frank Miller trabalha os quadros, passa a sensação de que as coisas estão se movendo pela página. Combine isso com um grande roteiro e temos uma obra mágica, que é a minha favorita no mundo dos quadrinhos. Percebi imediatamente que aquilo era algo extraordinário e decidi saborear a obra devagar. Todos os dias, depois do trabalho, eu lia duas edições. Às vezes, o gancho no final era tão grande que eu não resistia e lia uma terceira edição na mesma hora. Fiquei maravilhado com este quadrinho e costumo relê-la de tempos em tempos.


Esta obra é minha grande influência na hora de planejar a narrativa dos meus quadrinhos. Recomendo ela à todos os fãs da nona arte. Se você nunca leu, vale a pena ir atrás dela. Se já leu, o que está esperando para apreciá-la novamente?

 

 

A esquerda, uma página do Demolidor, e a direita, uma página do meu quadrinho “Destino”: aqui fica evidente a influência desta obra na minha narrativa (além desta página ser uma homenagem proposital).

 

Versus Podcast © 2017