DESTINY | QUE TODO ON-LINE SEJA ASSIM. AMÉM!

12/05/2018

Jogo:  Destiny

Desenvolvedor: Bungie

Lançamento:  9 de Setembro de 2014

Plataformas:   PS3- PS4- Xbox360 – XboxOne – Windows

 

 

Como todo bom brasileiro, minha experiência com Destiny aconteceu fora do tempo. Para ser mais exato, foi no ano passado (he he he)!  Infelizmente é fato que os consoles neste país não são tão acessíveis e nem sempre a conversão do dólar é justa. Brincadeiras à parte, vamos ao que interessa…

Destiny foi lançado em 2014, produzido pela Bungie e publicado pela  Activision.  Foi motivo de aclamação por trazer a essência do MMO de forma mais direta para os consoles.  O game se passa em um futuro pós-apocalíptico onde aquele velho sonho de colonizar o sistema solar e outros planetas deu certo. O problema foi o evento conhecido como o “Colapso”,  que fez grande parte das colonias humanas espalhadas pelo universo desaparecerem, colocando toda a raça humana em perigo. É ai que entram os heróis do game, chamados de guardiões. Até então nunca tinha ido muito com a cara de jogos online.  Para não dizer que estar “on” não faz parte do meu histórico gamer, curto jogar Geas of War no bom e velho mata-mata em equipe, mas meu conceito mudou com Destiny.  Ele mega me interessou por sua premissa que a Bungie defini como “shooter de mundo compartilhado”.

A diversão começa com a criação do seu personagem, podendo optar por três classes: titã, caçador e arcano, tendo cada um suas características e habilidades, é claro.  Após construir seu guardião, a primeira missão se passa  na antiga terra, uma espécie de tutoria com elementos de história que deixam o jogo mais envolvente e mostra um pouco do que o game vai proporcionar.

A “história” é um dos pontos negativo do jogo.  É clara á falta de seguimentos da mesma e, diga-se de passagem, quando ela está presente o sentimento é de satisfação.  As cenas são bem produzidas e deixar de trazer mais delas (com proposito, é claro) é, na minha opinião, um ponto negativo que poderia tornar tudo mais imersivo para o jogador.  É óbvio que a produção de um game de grande porte vai além do senso comum e toda a história dentro da narrativa do jogo tem que se encaixar em ambas as classes. Tentando amenizar esse aspecto foi colocado no game uns NPCs chamados de fantasmas.

Além de cosmético, os fantasmas introduzem pontos no status e contam linhas de história dentro das missões (um tipo de “Navi” cibernética menos chata…), situando o jogador um pouco mais dentro do que está acontecendo nesse mundo de Guardiões vs Decaídos.

Graficamente o jogo é lindo. Os Cenários são de encher os olhos, com ótimas texturas onde tudo flui bem. Lembrando: minha experiência  foi no PS3 e é provável que no PS4 e Xbox One tudo fique ainda mais bonito. Agora uma pergunta: tem como falar sobre Destiny e não lembrar de Halo?  Não!!!  Quem acompanha essa indústria vital sabe bem que Halo foi produzido pela Bungie por um bom tempo e as influências do mesmo, dentro do Destiny,  são claras e bem vindas.

Com relação aos controles, a Bungie conseguiu melhorar o que já era bom e a jogabilidade é ótima, sendo um dos pontos fortes da franquia.  Falando um pouco do mundo compartilhado, só é possível jogar Destiny se o console estiver conectado a PSN. Não há outra forma de iniciar o jogo em campanha offline. Para muitos pode ser um ponto negativo, mas se você estiver disposto a jogar esse shooter, estar online faz parte da experiência e uma campanha “off” com certeza tiraria muito da proposta do jogo.

Se fosse definir minha jogatina diria que foi uma experiência single player em um mundo compartilhado. Mesmo conectado, esse fato não atrapalhou minha diversão (já que sou um jogador de preferência single player). Outro ponto mega legal é a comunidade do Destiny:  basta criar o Guardião e logo começa chover pedidos de amizade e mensagens pra fazer as missões em co-op.  Para quem é  radical e curti uma competição, há a opção do modo PVP.  Em resumo, Destiny é um ótimo jogo e conseguiu misturar com maestria um single player com co-op online. Se o futuro do videogame está “on”, que seja assim… Amém!

 

Abraço, Galera! :*

 

 

 

 

 

 

Versus Podcast © 2017