FINAL FANTASY VII – CRISIS CORE | UM JOVEM CLÁSSICO

24/12/2017

Final Fantasy – VII Crisis Core
Desenvolvedor: Square Enix
Direção: Hajime Tabata
Ano de lançamento: 2007 (Japão) / 2008 (EUA)

 

Meu primeiro contato com Final Fantasy Crisis Core foi surpreendente. Fiquei mega impressionado com como o jogo se mostrava bonito e como o gameplay fluía bem. É o tipo de jogo que vende o console e te faz  pensar: “Quero um desse!!!”. (Risos) É uma subsérie com um compilado de games de FFVII, que teve seu lançamento original exclusivo para o Playstation Portable (popularmente conhecido como PSP), mas hoje em dia é possível jogar também no Playstation Vita.

 

Até então, era difícil imaginar um Final Fantasy linear como esse propõe, pois a tradição era aquele mapa pseudo mundo aberto que encolhia e haviam pontos há serem explorados, geralmente cidades ou dungeons. O resto eram lugares vazios, nos quais o principal objetivo era adquirir experiência para subir o nível dos personagens através das chatas batalhas aleatórias. Como todo bom FF, upar personagem é de lei, no Crisis Core você pode fazer isso através de um menu e depois escolher a opção missões e pronto, é só subir de nível.

 

A proposta rompe com a velha fórmula, colocando ação nos combates. Agora é possível movimenta-se livremente dentro de uma área determinada, influenciando diretamente a estratégia das lutas e acrescentando dinamismo. Para atacar, como em qualquer jogo de ação, é preciso aproximar-se do inimigo e sua habilidade no controle pode minimizar o dano ou até mesmo fazer com que ele se perca.  Seguindo a linha, os botões L e R substituem aquela icônica mãozinha que servia para escolher a próxima ação.

 

 

O conjunto ambientação, trilha e história prendem qualquer fã de Final Fantasy VII com facilidade. Sem falar que as belíssimas cenas em CG (que só a Square Enix sabe fazer <3) tornam o jogo excelente. A minha percepção é que a Square vem evoluindo e trabalhando na transição da sua franquia mais famosa. É só reparar em títulos como : FFXII e o aclamado FFXV que seguem um desenvolvimento natural dessas mecânicas de gameplay.  Valeu muito a pena rejogar esse jovem clássico.

 

Abraço, galera!

 

Versus Podcast © 2017