PROJETO ALMANAQUE

11/09/2018

E aí pessoal, tudo na Paz?

Tô de volta, agora pra falar sobre o filme “Projeto Almanaque”, que eu gostei muito. Ele é do gênero Sci-Fi, com o tema viagem no tempo. O filme é de fácil compreensão (se comparado a outros atuais com a mesma temática). Continue lendo para entender.

Projeto Almanaque foi lançado em 26 de fevereiro de 2015. Ele foi dirigido por Dean Israelite, diretor e roteirista Sul-Africano de cinema. Além de Projeto Almanaque, ele também é conhecido por Acholiland, The Department of Nothing e o filme live-action dos Power Rangers.

O elenco conta com a participação de Jonny Weston como David Raskin, Sofia Black D’Elia como Jessie, Amy Landecker como Kathy, Michelle de Fraites como Sarah Nathan, Virginia Gardner como Christina, Sam Lerner como Quinn Goldberg, Patrick Johnson como Todd, Gary Grubbs como Dr. Lu, Allen Evangelista como Adam e Katie Garfield como Liv.

O enredo é muito simples: David Raskin quer ganhar uma bolsa de estudos e, para isso, precisa apresentar um projeto. Junto com sua irmã e mais dois amigos, ele consegue desenvolver uma ideia, mas não ganha o dinheiro suficiente para a faculdade. Frustrado, ele vai até o sótão da casa procurar alguma outra solução para que sua mãe não precise vender o imóvel.

É aí que começa a história de fato. Em um vídeo de um de seus aniversários de quando ainda era criança, David vê ele mesmo, só que mais velho (na idade atual do filme). Então, junto com sua irmã e amigos, ele procura resolver aquela questão e é nesse ínterim que eles acham o antigo projeto do seu pai: um protótipo de uma máquina do tempo. Eles conseguem montar essa máquina enquanto mais uma colega de escola é envolvida nisso tudo.

Eles criam algumas regras entre eles para que nada saia do controle. Então vão voltando no tempo para resolver problemas pessoais de casa um deles, até que alguém quebra uma das regras e os problemas surgem. Muitas coisas acontecem durante a narrativa, mas, para descobrir o que é, você vai ter que ver o filme pra não perder a experiência de assistir por completo e (TALVEZ) ser surpreendido.

No começo dessa resenha eu disse que era um filme simples. Tirando o fato de que eles usam uma máquina do tempo, a história nada mais é do que uma mistura de romance adolescente e aqueles clichês de escola dos EUA, onde há os nerds e os populares. São adolescentes que tem nas mãos uma ferramenta que pode mudar a vida deles e, como de costume nessa idade, acabam se empolgando demais.

Não é lá um clássico ou uma coisa extraordinária, por mais que seja um filme de viagem no tempo, mas vale a pena assistir. Ele é bem previsível, mas faz você se apegar aos personagens e ficar tenso em alguns momentos, até surgir o famoso plot twist.

 

Por falar em filmes, já leu nosso post sobre Samurai X? Leia já:

OS FILMES DE RUROUNI KENSHIN (SAMURAI X)

 

Versus Podcast © 2017