RESIDENT EVIL ZERO | O ORIGINAL NÃO SE DESORIGINALIZA

22/12/2017

Resident Evil Zero

Produtora: Capcom

Ano de lançamento: 2002 (Japão) / 2003 (EUA)

Plataformas: PS4, PS3, XOne, X360, Game Cube, Wii e Windows

 

Minhas impressões foram ótimas e os famigerados controles de movimento (Wii Remote e Nunchuk) funcionaram bem, apesar da minha desconfiança. Porém, o jogo também apresenta suporte ao controle do Game Cube e ao Classic Controller, facilitando a vida dos players que buscam uma jogabilidade tradicional.

O game já tem estrada. Foi lançado a princípio para o “cubo” em 2002 e bem posteriormente houve um aclamado remaster para os consoles da sétima e oitava geração. Decisão inteligente da Capcom, visto que a grande maioria não teve a oportunidade de jogar no Game Cube.  Infelizmente, no meu caso só pude jogá-lo no Wii, como um verdadeiro retrogamer (risos). Gracinhas à parte, a fórmula para o sucesso do Zero vem de outrora com o terror – combinado à sobreviver com poucos recursos – e uma pitada de aberrações querendo seu sangue, pegada essa que passou longe dos numerados 5 e 6.  O survivor horror do mesmo é clássico, com aquele clima de tensão e sufoco que já conhecemos.

Outro ponto interessante é a história. Cronologicamente, ela é o prologo dos acontecimentos ocorridos em Resident Evil.

 

 

Os gráficos são nota 10 e o game é bem equilibrado. A Capcom ainda adicionou alguns temperos à jogabilidade: primeiro, é possível jogar com dois personagens simultâneos; segundo, a extinção do tradicional baú, onde você guardava seus itens, tornando as coisas mais complicadas e, de certa forma, mais divertidas.

Versus Podcast © 2017